Total de visualizações de página

quarta-feira, 13 de abril de 2011

O DIREITO DE IR E VIR COM INDEPENDÊNCIA

José Almeida Lopes Filhoarquiteto especialista em acessibilidade

Uma simples análise do crescimento das cidades nos mostra que geralmente o seu crescimento, no que diz respeito à arquitetura e ao urbanismo, não levou em consideração as necessidades de todos que dela fazem parte.

Prover a acessibilidade para todos é ainda um grande desafio que enfrentamos e este objetivo somente será atingido com a eliminação das barreiras arquitetônicas urbanísticas, da edificação, do transporte e da comunicação.

Assim, entende-se por cidade com acessibilidade para todos aquela que nas suas edificações, seu urbanismo, seu transporte e nos seus meios de comunicação, traz condições que permitam a qualquer pessoa a sua utilização com autonomia e segurança.

A cada dia surgem novas idéias e projetos de edificações que vão tecendo, dando forma e delimitando a cidade. Essas edificações são elementos e texturas formando um grande aglomerado de necessidades e facilidades criado pelo homem e para o homem.

Hoje as novas idéias e projetos que surgem devem seguir o conceito de acessibilidade para todos, pois uma cidade é de todos, feita por todos e deve servir a todos. Suas ruas, suas praças, seus parques e seus edifícios devem ser projetados para atender a todos e não somente uma parcela da população.

A sociedade da qual todos fazemos parte, da qual somos célula integrante, não deve resumir-se a elementos de inclusão ou exclusão. Nós todos somos a sociedade e as várias comunidades que a compõem são partes diferentes entre si, mas igualmente importantes e de expressão única.

Portanto a arquitetura desenvolve um papel importante na história, no processo de compreensão da sociedade como um todo único. Toda e qualquer idéia ou projeto deve ter um nascer respeitando o conceito de "acessibilidade para todos". Todo e qualquer cidadão - a pessoa idosa, a pessoa com deficiência, a gestante, o obeso, a criança - tem o livre direito de locomover-se pela cidade, usufruir dela, participar e cooperar no seu desenvolvimento.

A eliminação dessas barreiras e o entendimento de que novas barreiras não devem ser construídas passará a ser uma realidade para profissionais como arquitetos, engenheiros, urbanistas, pois devemos planejar, projetar e construir levando em consideração as limitações, capacidades e necessidades que as pessoas apresentam.

Assim, devemos entender de uma vez por todas que não são as pessoas que são portadoras de deficiência e sim as edificações, transportes, praças, as cidades em geral, que são planejados e projetados com conceitos ultrapassados, ineficientes para o uso do homem (eu, você, todos).

Um comentário:

  1. O Núcleo Estadual de Educação junto com a equipe gestora das escolas lançaram o projeto Família-Escola para uma educação de qualidade. Nosso objetivo é informar á sociedade sobre nossa função. Visamos a possibilidade de você postar em seu blog a matéria do projeto, precisamos que a sociedade visualize o fato.
    PEÇO ENCARECIDAMENTE QUE POSTEM A MATÉRIA EM SEUS BLOGS, SEGUE ABAIXO O LINK DA POSTAGEM QUE JÁ FOI PUBLICADA PELO BLOG DA CLARIANE, QUEREMOS APENAS QUE COPIEM A POSTAGEM E POSTE EM SEU BLOG, É ESSENCIAL QUE ISSO ACONTEÇA, ASSIM VOCÊ CONTRIBUIRÁ PARA QUE NOSSO TRABALHO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PROSPERE.

    http://clarianeoliveira.blogspot.com/2011/04/projeto-tema-familia-e-escola-por-uma.html#comments

    AGRADEÇO A ATENÇÃO,

    LUZIENE (LULA)
    Núcleo de Educação de Tarauacá (NEDUC)

    ResponderExcluir